terça-feira, 8 de dezembro de 2009

O que é rating e o que ele mede?

Recentemente temos ouvido falar muito de países cujo rating foi rebaixado, desta forma afetando o mercado financeiro. Os casos mais drásticos recentemente foram da Grécia e o de Dubai, neste último foi onde o Fundo Governamental, Dubai World, anunciou que devido a problemas financeiros precisaria adiar o pagamento de juros de seus títulos aos credores. Mas o que exatamente é o rating e o que ele mede?

Rating é uma palavra inglesa que vem do pronome 
rate, que significa avaliar o valor ou a qualidade de algo. No mercado financeiro quando falamos de rating estamos falando sobre credit rating, ou seja, a capacidade de alguma empresa ou país pagar um crédito recebido, ou simplesmente de pagar suas dívidas.

Existem no mercado agências especializadas em medir o risco de crédito de instituições/títulos, essas agências chamam-se agências classificadoras de risco, ou agências de rating. As agências de rating mais conhecidas são a  Moody's, Fitch Ratings e Standard & Poor's.

O grau de avaliação destas empresas é dado após a análise de muitos fatores, desde informações públicas noticiadas na mídia, demonstrativos financeiros das empresas, histórico, análise de balanços, perspectivas, análise setorial, análise dos locais e formas de atuação, entre outros fatores. Após toda a avaliação dos dados e informações coletados o comitê responsável dentro da agência por aquela avaliação dará uma nota ao risco correspondente à sua opinião e esse grau vai de AAA (triplo A ou
triple A) - o grau mais alto - até D (Inadimplente  ou Default) conforme demonstrado na tabela abaixo:

Os notas de primeiro grau (de AAA até BBB) são chamadas de Grau de Investimento - Investment Grade, como a que o Brasil conseguiu em 2008 - e as notas de segundo grau (de BB até C) são chamadas Junk Bonds ou High Yield - Títulos podres ou Juros Altos, pois devido ao alto risco de não cumprir com suas dívidas as empresas ou os títulos com essa nota precisam pagar uma taxa de juros mais elevada de forma a compensar o risco corrido. As notas D são classificadas automaticamente como Default ou empresas que não cumpriram com suas dívidas. Dois termos muito usados são upgrade quando a nota é elevada e downgrade quando a nota é diminuída.

Notemos dois detalhes:

  • O rating não se constitui de verdade única, apenas de opinião de seus avaliadores, servindo somente para orientar os investidores do grau de risco incorrido no crédito cedido aquela empresa;
  • O rating possui dois tipos de escala, uma local (nacional) e outra global (internacional) de forma que o risco de uma empresa nacionalmente não é necessariamente o mesmo quando atuando globalmente.
Maiores dúvidas podem ser esclarecidas acessando o site das próprias agências, algumas possuem bibliografia apenas em inglês, de qualquer forma sugiro as seguintes leituras:
Dúvidas, críticas e/ou sugestões é só comentar.
Um abraço!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Digite aqui sua crítica ou sugestão.

Postar um comentário